sábado, 28 de março de 2009

Mecanismo de formação da urina

Cada rim humano tem cerca de 200 a 300g, possui uma borda convexa e outra côncava, é nesta que se encontra o hilo, região que contêm os vasos sangüíneos, nervos e cálices renais.
O rim é revestido por uma cápsula de tecido conjuntivo denso frouxo ligada ao parênquima renal, a cápsula renal.

Néfrons
Cada rim humano contém cerca de 1,5 milhão de néfrons.
Os néfrons são classificados quanto sua localização em: corticais (situados na porção externa da zona cortical); medicorticais (situados na parte interna da zona cortical) e justamedulares (situados na zona de transição entre as zonas corticais e medular). Cada néfron é formado pelo corpúsculo renal e uma estrutura tubular. O corpúsculo renal compreende o glomérulo e sua cápsula chamada cápsula de Bowman, uma porção oca do néfron que circunda o glomérulo .

A formação da urina – líquido de excreção que se forma no interior do rim – obedece a duas etapas:
· Filtração glomerular
A pressão desenvolvida pelo plasma sanguíneo no interior dos capilares do glomérulo de Malpighi é suficiente para que um quinto do plasma se extravase para a cápsula de Bowman. Esse fenômeno denomina-se filtração glomerular, e ao líquido que extravasa dá-se o nome de filtrado.
Calcula-se que, todos os néfrons, cerca de 120 mililitros de plasma extravasam por minuto, o que corresponde à formação de 7 litros de filtrado por hora. É evidente que a maior parte do filtrado deve retornar ao sangue, pois, do contrário, o indivíduo morreria em curto período de tempo.
A análise química do filtrado presente no interior da cápsula de Bowman revela que ele não contém células sanguíneas nem macromoléculas, tais como proteínas de alto peso molecular. O filtrado contém moléculas relativamente pequenas, passíveis d filtração dos glomérulos. Assim, apresenta em sua constituição: água, sais diversos, aminoácidos, vitaminas, gliceróis, ácidos graxos, uréia, ácido úrico e outras substâncias.
Como você deve ter percebido, existem no filtrado diversas substâncias que devem ser recuperadas pelo sangue, e outras, tais como uréia, que devem ser expulsas para o exterior através da urina. Dessa maneira, o filtrado passa as cápsula Bowman para o interior do túbulo contorcido proximal, onde se inicia a reabsorção renal, isto é, o retorno ao sangue das substâncias úteis.
· Reabsorção renal
É imprescindível que o sangue recupere a maior parte de seus componentes extravasados na filtração glomerular. Assim, a arteríola eferente – isto é, a arteríola que emerge da cápsula de Bowman – envolve os túbulos renais, capturando os nutrientes úteis ao organismo que se encontram no filtrado. A esse processo dá-se o nome de reabsorção renal.
No túbulo proximal, cerca de 85% da água presente no filtrado retorna ao sangue. Moléculas de glicose, aminoácidos e vitaminas, entre outras substâncias, retornam os capilares sanguíneos em grande parte através de um mecanismo de transporte ativo, ou seja, com gasto de energia. As células que compõem o túbulo proximal despendem grande quantidade de energia no processo de reabsorção dessas substâncias. Se houver excesso de glicose e outros nutrientes no filtrado, a absorção ocorre de forma incompleta. Isso significa que parte dessas substâncias se mantém no filtrado e é expelida com urina.
Na alça néfrica, em sua porção ascendente, verifica-se uma absorção acentuada de Na+, por transporte ativo. Seguindo o gradiente elétrico, ocorre um considerável fluxo de Cl- do filtrado para o sangue. Assim, o sangue readquire uma razoável quantidade de NaCl, fazendo com que a concentração do filtrado, ao atingir o túbulo distal, seja hipotônica em relação ao sangue.
Assim, no túbulo distal, com o sangue mais concentrado, deve ocorrer um fluxo osmótico de água para o interior dos capilares sanguíneos. Acontece que a permeabilidade da parede do túbulo distal depende da presença de ADH, isto é, um hormônio antidiurético. Esse hormônio, que é produzido no hipotálamo cerebral e armazenado liberado pela neuroipófise no sangue, tem a propriedade de aumentar a permeabilidade do túbulo distal e, assim, determinar maior reabsorção de água.
Em situação em que a ingestão de água é muito baixa, a neuroipófise promove grande liberação de ADH no sangue. Disso resulta uma alta reabsorção de água no túbulo distal, uma vez que suas paredes tem a permeabilidade aumentada. Em conseqüência, a urina se torna escassa e concentrada, determinando, assim, acentuada economia hídrica para o indivíduo. Em situação inversa, isto é, quando a ingestão de líquido é alta, a liberação de ADH no sangue diminui, acarretando uma baixa reabsorção de água no túbulo distal e a formação de urina volumosa e diluída.
O líquido que resta no interior do túbulo distal passa, então, para o interior dos túbulos coletores, onde a reabsorção de água continua. Após a reabsorção da água restante, o líquido presente no túbulo coletor constitui a urina. Dos 120ml/min de filtrado extravasado nas cápsulas de Bowman, resta apenas cerca de 1ml/min de urina no túbulo coletor. Isso indica que mais de 99% do plasma extravasado é reabsorvido pelo sangue, o que dá uma idéia de impressionante atividade das células componentes dos néfrons.
Resumo da principais contribuições dos diferentes segmentos do néfron na regulação dos solutos e água:
- Glomérulo: formação do ultrafiltrado plasmático.
- Túbulo proximal: reabsorção de 80% de água filtrada; reabsorção de 70% do Na+ filtrado; reabsorção de potássio, bicarbonato, fosfato, magnésio, uréia e ácido úrico; reabsorção total de glicose (tipicamente por um processo acoplado ao gradiente de Na+)e aminoácidos filtrados; secreção ativa de H+, que livra o organismo de sua produção diária de ácidos fixos e recupera o bicarbonato filtrado que será convertido em CO2, que se difunde novamente para os capilares peritubulares.
- Alça de Henle:
ramo descendente; reabsorção de água; secreção passiva de sais e uréia.
ramo ascendente: impermeável à água; elevada reabsorção de sais; segmento responsável pela regulação e excreção renal de magnésio.
- Túbulo Distal convoluto: reabsorção de pequena fração do Na+ filtrado; segmento responsável pela regulação e excreção renal de cálcio.
- Ducto Coletor: reabsorção de NaCl; sem ADH - impermeável à água, dilui a urina; com ADH - permeável à água, concentra a urina; secreta hidrogênio e amônia.
coletor cortical: secreta potássio, sendo a principal fonte do potássio urinário.
coletor medular: reabsorve ou secreta potássio, dependendo da situação metabólica; reabsorve uréia.
Qual é o conteúdo da urina?
Cerca de 90% da urina é água. Outras substâncias dependem da dieta, podendo ser: ácido fosfórico, uréia, sódio, cloro, potássio, ácido úrico.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Explicação descomplicada, clara e objetiva. Consegui entender, o que os livros complicavam tanto!
    Obrigada!!

    ResponderExcluir